A Via Pictorica é uma proposta de roteiro urbano artístico constituído por 30 obras inéditas que resultam de um repto lançado pelo Museu e Município da Guarda a igual número de artistas plásticos de Portugal e Espanha. Os trabalhos, tecnicamente dirigidos e supervisionados pelo catedrático de Belas Artes da Universidade de Salamanca José Fuentes, foram expressamente concebidos para o espaço público concreto da cidade mais alta, procurando intervir na paisagem citadina mediante uma linguagem plástica de cariz contemporâneo.

Trata-se, pois, de um percurso em que tanto o elemento criacionista como o temático se vai entremeando num diálogo com as preexistências parietais urbanas. Percorre-se como que impondo a sensação prazerosa à dolorífica, uma espécie de antítese da senda penosa – um recorrido pelo ‘belo’ que vai do momento da criação até à sua materialidade. Este agregado imagético afigura-se como sendo mais uma constituinte da arte pública da urbe, que a diferencia dentro da sua identidade multissecular.

A Via Pictorica distribui-se de forma sequencial por várias artérias da cidade confluindo no Campus Internacional de Escultura Contemporânea – o parque escultórico concebido em 2017 pelo Município da Guarda e que é, por excelência, o repositório da arte pública volumétrica produzida no burgo.

A técnica utilizada nestas obras consiste na combinação da imagem fotográfica com a (des)construção digital, operação que confere uma riqueza de elementos e profundidade onde o real se dilui num plano que parece interromper ou sobrepor-se à própria imagem original. A pós-produção conhece um criterioso processo, com impressão em alta definição sobre ‘dibond’ o que confere ao conjunto apresentado uma atractividade e vitalidade cromática únicas.