Embora as fontes escritas atestem a presença do pelourinho da Guarda junto à casa da câmara medieval, de há muito se perdeu o seu rasto, bem como do primeiro edifício que abrigou a câmara da cidade. Alguns investigadores consideram que do pelourinho da Guarda sobrevive o pequeno fuste, de perfil octogonal, com remate em capitel curvo e decorado com motivos fitomórficos, de há muito adaptado de modo a servir de apoio a um cruzeiro barroco, localizado no Largo João de Almeida.