A peça apresentada por Bernardo Cerdeira pertence à Categoria de Atividades Lúdicas, e faz parte do acervo do Museu da Guarda estando enquadrada na Supercategoria da Etnologia com o número de inventário: 3164 – A

Denominação: Pelota do jogo da pelota.

Título: Pelota

Autor: Madeira, Eduardo

Local de Execução: Portugal.

Centro de Fabrico: Escalhão. Portugal.

Oficina / Fabricante: Escalhão. Figueira de Castelo Rodrigo. Guarda. Portugal.

Datação: 1970 d.C. – 1980 d.C.

Matéria: borracha virgem; lã; algodão; cabedal.

Dimensões (cm): diâmetro: 6,2;

Descrição:

Bola em cabedal cozido, denominada pelota, Jogo da Pelota. O Jogo da Pelota remonta à Idade Média, e está relacionada com o Jogo da Péla praticado em França. O Jogo é demarcado por duas linhas que partindo das extremidades inferiores da parede se vão alargando. Trata-se das linhas laterais ou saias. Na parede a um metro do solo marca-se uma risca, linha de saque ou limbía, que delimita a zona má. A bola não deve bater abaixo desta risca. O Jogo disputa-se no Concelho de Figueira de Castelo Rodrigo entre duas equipas, constituídas por três ou quatro jogadores. A contagem dos tentos é feita por um arbitro, o arraiador.

Incorporação: Doação – da Associação de Jogos Tradicionais da Guarda

Proveniência: Escalhão.

Origem / Historial:

Esta peça foi depositada no Museu da Guarda em 19 de junho de 1985, pela Associação de Jogos Tradicionais da Guarda, tendo-lhe sido atribuído o Nº. Inv: 94 – D. Em 15 de Março de 1990, a mesma peça passou a fazer parte do acervo do Museu da Guarda, pela doação realizada pela Associação de Jogos Tradicionais da Guarda, conforme despacho com a mesma data do Secretário de Estado da Cultura e o despacho de 4 de abril de 1990 do Diretor Geral do Património do Estado, proferido por subdelegação do Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.