O sítio romano – de que não havia a mais pequena notícia – foi descoberto acidentalmente em 1951, durante as obras de construção da Estrada Nacional que liga a cidade à Guarda-Gare. Nessa altura foram postos a descoberto diversos achados e compartimentos identificados como sendo as componentes centrais do edifício termal do século I d.C.

            As estruturas arquitetónicas detetadas correspondem a uma implantação urbana de alguma envergadura. Do mesmo modo, os importantes restos arqueológicos já exumados proporcionam um testemunho muito apreciável das mais sofisticadas formas de vida que associamos à civilização romana. Face aos achados, tudo indica que este sítio tenha tido elevada relevância no quadro da romanização desta região da Província da Lusitânia.